sábado, 19 de junho de 2010

Nos reencontros da vida - Parte II

(...) em meio a tantos elogios e afetividade ela encontrou algo conhecido, mas aquele olhar lhe soava novo e causava uma outra pulsação em seu peito.
Êpa! Era o seu coração, ele estava querendo gritar; a menina abraçou a si mesma em uma tentativa de calar a pulsação de seu peito a fim de que ninguém escutasse. Ele se aproximava, puxou-lhe pela cintura e virou-lhe um beijo demorado na bochecha rosada.
-Prima, como você cresceu!
Ao mesmo tempo roubou-lhe todas as palavras. Helena só conseguiu devolver-lhe um sorriso, o seu melhor sorriso; o que todos diziam ser o mais bonito. Mas outras conversas meteram-se no meio daquela estranha e agradável situação.
Era uma garota observadora, já tinha facilidade em estudar alguém sem ser notada, sua timidez temporária contribuía bastante para que tivesse o máximo de discrição. Olhou cada detalhe do rosto do primo: parou nos olhos; ah os olhos, havia parte mais convidativa? Aquele verde consistente a chamava para descobrir um novo mundo, que a princípio, pareceu-lhe proibido.
Marcos havia mudado, ela não era a única que tinha crescido, mas ainda trazia as mesmas feições de um anjo.
A menina ainda não se sentia a vontade; apesar de estar na casa de sua família, não tinha conseguido se livrar da vergonha inicial que sempre a acompanhava em situações como aquela. E como era de costume alguém tinha de tomar o primeiro passo
para que ela pudesse se soltar; não faltaram voluntários, ela se sentia como uma novidade. Logo Helena fora chamada para a reunião-de-primos; também não lhe faltaram perguntas respondidas a monossílabos e largos sorrisos; por algum motivo ela se sentia acanhada, era como se tivesse alguém mais forte que a intimidasse.
Estranhou-se. Reprimiu-se. Ela não era assim, sabia ser extrovertida quando queria; empinou mais ainda o nariz arrebitado, como se daquela forma pudesse mandar embora todo acanhamento restante. E com um tremendo esforço expulsou opiniões tiradas dos muitos romances lidos. Era aquilo que se resumia a sua vida- um romance piegas, mas ela gostava.
Sentiu um arrepio, diziam que quando isso acontecia um espírito se fazia presente no local; ela nunca tinha acreditado naquela história e acabava de tirar a prova dos nove. Era ele. Marcos tinha aquele olhar sorridente fixado na menina.
Helena desconsertou-se, perdeu o ritmo de suas palavras e passou a desconhecer o que falava. Sentiu-se tonta, como se tivesse bebido algumas doses da tequila do pai que ela sempre tivera vontade de experimentar; era exatamente isso, tomava seu primeiro porre.
Preocupou-se, 'será que ele havia notado sua repentina embriagues?'; torcia para que não. O relógio anunciou que faltavam três horas para o nascer do sol, tinha passado rápido demais, ela ficaria ali por mais três horas, mas precisava dormi. Até tentou levantar-se, mas suas pernas tinham perdido as forças e para seu desespero havia uma mão estirada a ela, mãos de anjo!
Meio que cambaleando consegui-se dirigir a sua cama. Deus, aquele perfume a deixou completamente bêbada; e todos sabem os embriagados logo pegam no sono.
Os raios de sol da manhã que chegara não tardaram em acorda-la. Era uma manhã de Dezembro diferente, havia uma alegria no ar; fazia um frio suportável, até gostoso e o mais incrível Helena acordara de bom humor. Sentiu dentro do peito uma vontade de cantar, o sorriso não lhe abandonava o rosto, até se sentia mais magra. Tinha de admitir, aquela viagem estava lhe fazendo bem!
Revirou toda sua mala procurando algo para vestir, mas a maldita indecisão não lhe deixava. Fez todas as combinações possíveis e acabou escolhendo seu melhor sorriso; não sabia por qual motivo, mas queria estar mais bonita que nunca. Perdeu o pouco da segurança que achou ter adquirido em cinco minutos, e ficou ali, nua, na frente dele. Toda vez que olhava em seus olhos ruborizava.
-O que vai fazer essa noite? - disse Marcos, dando-lhe mais um daqueles beijos demorados, de cinco segundos.
-Naad, nada- agora mais essa, a voz lhe faltando.
-Ah, tem uma festa hoje, de uma amiga, pode ser?
-Claro-
soprou ela com mais entusiasmo do que deveria.
Ele deu-lhe um sorriso como resposta, fazendo com que nela estourasse toda uma felicidade. Mas a menina tinha consciência-precisava frear. 'É só uma festa, ele é só meu primo!', censurou-se. Junto com a alegria repentina, cresceu em seu peito uma enorme ansiedade, uma certa apreensão; tinha medo de que a noite chegasse. E só para birrar com ela, logo o dia se foi trazendo a indecisão de volta. Ai, por que estava tão nervosa?
Decidiu-se por um vestido preto que lhe marcava o corpo, adorava vestidos; Helena era do tipo de garota que sabia o que tinha de melhor, e sempre lhe agradava mostrar as belas pernas torneadas que havia herdado do pai. Caprichou na maquiagem, que lhe mentia os 13 anos; os cabelos caiam em belas ondas por seus ombros; é, ela estava linda. Roubou elogios de toda a festa, mas sentia-se frustrada, era como se alguma expectativa tivesse brutalmente sido morta. A noite estava chegando ao final, hora de ir para casa.
Entraram no carro; Helena novamente estava tonta, dessa vez, pelo cheiro do álcool que invadiu o veículo; o que logo foi agravado por aquela presença. Como podia? Ele passou toda a noite distante e agora vinha com a sua cara de anjo expulso do paraíso sentar-se ao seu lado! Colocou a mão sobre a dela. Olharam-se profundamente por alguns demorados segundos, como se aquele encontro de olhos, de almas, fosse capaz de revelar todos os segredos que possuíam. E não era? Ela perdeu todo o fôlego, ele chegava mais perto. Sussurrou algo em seu ouvido que a fez rir, mas que se esqueceu no mesmo instante. Se aproximou mais, e mais. Os lábios se tocaram e trocaram suas almas através de um longo beijo.

(continua...)




8 comentários:

  1. awwwwwwwww, que delicia. está LINDO. espero que continues, estou mortinha para ler.
    um beijinho*

    ResponderExcluir
  2. "a menina abraçou a si mesma em uma tentativa de calar a pulsação de seu peito a fim de que ninguém escutasse."
    que lindooooo !

    beiijo,
    *.*

    ResponderExcluir
  3. Lindo, lindo, lindo. Continue essa história mesmo, por favooor! Hahaha
    Já disse que tens escrito cada vez melhor. Pensa em escrever um livro?
    Beijinho guria!

    ResponderExcluir
  4. nossa! não consegui parar! muito bem escrito esse texto.

    *vontade de ler o resto*

    beijos, flor.

    ResponderExcluir
  5. Que talento!!!
    Aguardo a continuação
    :*

    ResponderExcluir
  6. Flores, muito obrigada! Vocês sao uns amores! =))
    E aguardem, que em breve, voltarei a postar sobre as aventuras do coração de Helena.
    Ah, Camila, já disse sim. Mas eu já te falei que a cada vez que tu torna a dizer é sempre uma honra e que me sinto MUITO lisonjeada e ouvir isso de ti?
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  7. Adorei essa segunda parte, a Helena tá descobrindo o amor... muito lindo.
    Espero a continuação =)

    Bjs...

    ResponderExcluir
  8. Ahh lindo lindoo!
    Demora muito não pra postar outra parteee!
    rsrs
    Sem falar que tá MUITO BEM escrito!
    Parabéns :D
    beijos!

    ResponderExcluir