domingo, 5 de setembro de 2010

Deixe entrar o novo sol

A fumaça do cigarro se dissipa no ar, o corte grande um dia sara, o cabelo curto demais cresce, o amor eterno acaba, quem é essencial uma hora vai embora. Nada é para sempre, tudo se gasta. Mas não largamos essa mania, até bonita, de tentar eternizar as coisas; de vive-las antes do que elas acontecem, mais tempo do que elas realmente duram. E insistimos em fazer do luto morada permanente de nossa atenção, fingindo que não sentimos nada, que está tudo bem; quando na verdade, por dentro, se está podre. No ensaio falho de tentar ressuscitar o sentimento morto deixamos de viver algo bom, bonito e saudável. Tampamos os olhos para as portas que se abrem, para o sol novo que nasce a cada dia e recusamos a proposta que o mesmo nos faz ao partir - levar embora, melancolicamente, os resquícios de dores passadas. Amassamos nossos corações e os deixamos pequenos demais para caber algo inovador, diferente. Pintamos nossas vidas de cinza e preto, desprezando o arco-ires que se joga aos nossos pés; nos agarramos fortemente a uma dor desnecessária. Insistimos em manter um relacionamento oficial com o orgulho, um outro extra-conjugal com o rancor e ,ainda por cima, nos apegamos a afetos desvanecidos; esquecendo, outra vez no mesmo dia, que depois de um noite chuvosa, esperasse uma aurora que surja banhada de sol e prometa uma lua cheia acompanhada de suaa mil e uma estrelas.

9 comentários:

  1. amei, flor...
    sensaional teu texto, teu blog....
    tu escreve bem demais...
    bjok

    ResponderExcluir
  2. De tão linda a postagem da Déborah (Final Alternativo), eu cantei e criei uma frase, lancei tudo no twitter. Li o seu comentário e vim compartilhar com você. [sorrio]. Espero que goste do que eu trago. Não precisa retribuir a visita. Eu só vim mesmo compartilhar. Não vou ler hoje. Serei honesto. Mas se você for ao meu blog será um prazer para mim, Gabriela.

    Quando você foi embora, fez-se noite em meu viver, forte eu sou, mas não tem jeito, hoje eu tenho que chorar... (Travessia – Milton Nascimento).

    *É lindo ver a mulher se revelar/O jeito da mulher amar, e até desamar, é algo, paradoxalmente, suave e intenso (Jefhcardoso)

    http://jefhcardoso.blogpsot.com

    ResponderExcluir
  3. o post mais lindo do dia. eu guardarei pra sempre aqui. lindo, lindo!

    beijos, flor.

    ResponderExcluir
  4. muito bom esse texto! é assim mesmo, a vida, é só questão de costume. beijos

    ResponderExcluir
  5. "Se existe algum prazer em sofrer,
    lá-lá-lá..."


    Parece mesmo que existe, caso contrário o esporte não teria tantos adeptos, né, Gabi?

    Beijo pra ti!

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  6. é um pouco de medo do novo e de deixar pra trás o que nos fez bem.

    ResponderExcluir
  7. Amei!Esse é exatamente o tipo de medo que me persegue há anos,e que vira e mexe eu teimo em fazer renascer.Quase todo mundo faz isso pelo menos uma vida na vida..pelo menos eu acho.
    passa lá tem post novo

    ResponderExcluir
  8. Acho como você que tudo passa e então o que nos resta é ser feliz nos instantes em que a felicidade conseguem durar. São eles que ficam na memória.

    =*

    ResponderExcluir